Friday, January 30, 2009

Never take life seriously. Nobody gets out alive anyway.

Thursday, January 29, 2009


"Fortune Knocks at every man's door once in a life,
but in a good many cases the man is in a neighbouring saloon
and does not hear her!!!"

By Mark Twain

Our new Town... Welcome to Figueira Da Foz






Just arrived in the new town, our lives will change from now on... lots of trafic... 2 cars, takes to long to get home from work... 2 minuts every day we cannot miss the afternoon tea all together sitting by the fire!! Our long, long beach of fine white sand stretches along the front.
video

Wednesday, January 28, 2009

– O CAMINHO DA LOUCURA – Por Dr. Emidio Carvalho

Quase todos os seres humanos possuem uma característica típica da esquizofrenia: fazerem continuamente as mesmas coisas e estar à espera de resultados diferentes. Todas as pessoas querem vidas melhores, mais saúde, melhores relacionamentos, mais abundância financeira… Mas dia após dia fazem exactamente as mesmas coisas! À espera de um milagre. Que nunca irá acontecer. Porque são loucas. Porque acreditam que irão mudar de vida sem mudar. Porque se meditarem o suficiente serão abençoadas com milhentas coisas boas, sem necessidade de mudar o que quer que seja. Já reparou que à sua volta, na natureza, nada permanece constante? Tudo muda. Continuamente. E no entanto, você, que quer mudanças na sua vida, está à espera que estas ocorram sem mudar. Bem-vindo à insanidade! A maior parte das pessoas tem um sonho e faz planos para o manifestar e medita e acredita na Lei da Atracção e até é capaz de escrever umas coisas giras e esperar que as pessoas à sua volta comecem a mudar… E nada acontece.
PORQUE A MUDANÇA TEM QUE COMEÇAR
DENTRO DE CADA UM PRIMEIRO!
Esta lição é um pouco longa, prepare-se. Tudo começa com os rótulos que colocamos sobre cada experiência do nosso quotidiano. Vou-lhe dar um exemplo. No mês de Dezembro, aquando da minha visita /aprendizagem no Senegal passei por uma experiência que inicialmente rotulei de "péssima". Um dia fomos almoçar a casa de uma família tradicional. Comemos um prato típico de peixe com arroz e uma espécie de legumes (não fui capaz de identificar). O sabor dos alimentos era excepcional. Uma experiência que rotulei de "excelente". Paguei pela refeição (para 4 pessoas) um total de 18 euros (disseram-me que era um valor acima da média). No penúltimo dia, já instalado no melhor hotel de Dakar, cinco estrelas e todas as mordomias, pedi no restaurante o mesmo prato típico. Aqui, só o meu prato custou 20 euros! Quando a comida chegou tinha um cheiro idêntico em tudo ao experienciado por mim quando passámos pelas lixeiras (presentes em todo o lado onde habitam mais de 10 pessoas). Era um cheiro nauseante. Tive a coragem de levar um pouco do peixe à boca. O sabor era ainda pior! Não comi mais. Pedi uma sobremesa e assinei a conta para ser debitada na factura do quarto. Esta experiência foi rotulada por mim, inicialmente, como "péssima". Mais tarde, já no quarto, enquanto a minha mente vagueava pelas diversas lições apreendidas num país de extremos, apercebi-me que aquele prato de comida, com um cheiro e sabor horrendo, teria sido rotulado de "divinal" por qualquer ser humano sem comida há mais de uma semana, como os habitantes do Darfur, por exemplo. Começa a compreender o valor dos rótulos?
Qualquer experiência sua é sempre uma aprendizagem. O "bom" e o "mau" é apenas um rótulo que você decide colocar. Quando sentir que a experiência merece um rótulo "negativo" aprenda, antes de colocar o rótulo, a afirmar algo como "Não sei de que forma esta experiência é boa para mim, mas é-o!" Continuando com os rótulos. Eu poderia dizer que uma parte substancial da minha visita no Senegal foi "péssima". Passei por experiências que nunca imaginei ser possível (foi pior do que está a imaginar). Todavia eu tinha escolhido precisamente este país para desestruturar o ego. E consegui parte do que me tinha proposto. Quando regressei a Portugal, o Sr Paulo, um dos directores da agência de viagens que utilizo (ok, um pouco de publicidade aqui: a 4x4 é uma agência de viagens diferente! Com programas excelentes), enviou-me um e-mail a perguntar sobre a nossa viagem e 'férias' no Senegal. De início a minha vontade foi escrever um relatório a apontar todas as coisas "negativas" ao longo dos vários dias. Normalmente, quando tenho que dizer ou escrever algo de negativo aguardo até a negatividade se dissolver um pouco (ah-ah! Agora algumas pessoas já sabem porque posso demorar mais de uma semana a responder a um e-mail!). Quanto mais negativo for aquilo que tenho para dizer, mais demoro. É uma técnica ensinada por D. Juan, dissolver a negatividade para dar poder à divindade. Bem, quando por fim respondi ao e-mail tudo o que disse foi "Adorei as férias no Senegal! Obrigado pelo seu trabalho." E não estava a mentir. Se eu acredito num Universo Holográfico, se acredito que eu, e apenas eu, sou responsável por todas as manifestações que ocorrem na minha vida, e se acredito que o Universo se manifesta através de mim, como poderia eu criar algo "mau" ou com defeitos? Não podia. Se eu acredito na perfeição da vida, então como posso ver imperfeição? Não posso. Mas há mais. Se eu caísse na asneira de afirmar ter passado por uma experiência "má", o mais provável seria passar por algo "mau" da próxima vez que fosse ao estrangeiro. Lei da Atracção em Acção! Cada vez mais sinto que não tenho o direito de me queixar de nada. É tudo uma criação minha que serve para o meu crescimento a todos os níveis. Sei que cada queixinha minha tem por único objectivo fazer crescer o bichinho "ego" e atrair outras experiências idênticas. Provavelmente as suas queixas também andam todas à volta de um único tema. Pare de se queixar para que esse tema se dissolva. Lembre-se que todas as experiências, independentemente do rótulo que você decida colocar, são uma criação sua. Unicamente sua.
Ame cada experiência se quer atrair experiências melhores. E lembre-se que jamais passará por uma experiência "dramática" a menos que esteja preparado/a para ela. E não estou a falar do ego, porque esse nunca está preparado para nada a não ser provar que existe (porque sabe que não existe – mas isto fica para uma outra lição).
Exercício #2 – a magia da Imprevisibilidade
Uma forma de começar a mudar a sua vida é através desta técnica da imprevisibilidade. Na última aula do curso prático, pedi aos participantes para fazerem o exercício que vou propor-lhe agora. Escolha um dia em que ao chegar a casa pega numa panela, coloca-a dentro de um saco e leva-a a passear durante uma hora. De preferência um saco bonito, a sua panela merece-o! Imagine que a panela é uma amiga. Faça-o apenas enquanto sentir desconforto. O desconforto que sentir (principalmente se o Ego começar a gritar coisas como "estás louco!", "Olha agora, passear uma panela!" e "O que irão pensar os meus amigos se me virem a passear uma panela?!") será proporcional à desestruturação do ego e à criação de padrões imprevisíveis. Se de facto encontrar alguém conhecido, diga-lhe que está a passear a sua panela, que não passeava há muito tempo. O ego não suporta que os outros pensem mal de si. No caso de não se sentir preparado/a para este exercício pode optar por pequenas variações do mesmo. Este fim-de-semana faça duas coisas que nunca tenha feito antes. Duas coisas que não causem um atentado à sua integridade ou à integridade dos outros, claro. Fale com um estranho (se nunca o fez). Faça um jejum verbal (significa mesmo isso – não falar nada de nada). Se optar pelo jejum verbal é importante que não se isole: faça a sua vida normal, mas sem falar. Vai ver o divertido que é comunicar com outros sem fazer uso da linguagem verbal. Ou então compre um brinquedo (daqueles aconselhados para crianças até aos 4 anos) e brinque com ele, no parque. Ou vá para a rua comer cenouras cruas. Ou cante a sua ária favorita num espaço público. Se lhe perguntarem porque o está a fazer responda que está a desestruturar o ego. Ou seja ainda mais aventureiro/a e diga que é louco e lhe deram alta no manicómio. Pode ter a certeza que o seu ego vai espernear, gritar, chicotear. O ego sabe quando nós começamos a ter consciência que não existe e não gosta mesmo nada disso. Um aviso: faça algo que nunca fez mas tenha em conta o seu estado de ânimo. Entretanto pode começar a planear um pouco os seus sonhos. Deixo-lhe mais dois exercícios neste link: http://www.matrizviva.org/downloads/c1/d16/
O exercício "Perda de Tempo" é fundamental. Pode mesmo pedir a colegas e empregados seus que o façam também. Escreva nele todas as coisas que faz ao longo do dia. Sim, inclua o tempo em frente ao computador a reenviar ficheiros que dizem "envia isto a 10 amigos se não queres que te caia uma desgraça encima hoje às cinco da tarde"! Veja depois onde está a perder tempo. Decida as actividades que quer colocar no lixo. Decida ainda as que pode delegar a outras pessoas (se tem o seu tempo muito preenchido). E crie actividades que o/a aproximam do seu sonho. Se trabalha por conta de outrem saiba que se quer manifestar o seu sonho é importante dar mais do que é esperado de si. A maior parte das pessoas passa o dia no trabalho como estando a fazer um enorme "frete" e depois admira-se de nada acontecer em relação aos seus sonhos. Se trabalha por conta de outrem deixo-lhe um aviso: se não se dedica a 150% ás tarefas que são esperadas de si no trabalho, tornar-se-á praticamente impossível manifestar o seu sonho. É que o seu sonho passa por primeiro ajudar outros a criar os seus. O Universo não é estúpido. Termino com um provérbio Chinês e uma citação de Albert Einstein. Descubra qual é qual…
"Quem vive no presente com os olhos no passado descobrirá que não tem futuro." "Insanidade é fazer repetidamente as mesmas coisas e esperar resultados diferentes!

Wednesday, January 21, 2009

A FLOR E O ARROZ


Um sujeito estava colocando flores no túmulo de um parente, quando vê um chinês colocando um prato de arroz na lápide ao lado.
Ele se vira para o chinês e pergunta:
- Desculpe, mas o senhor acha mesmo que o seu defunto virá comer o arroz?
E o chinês responde:
- Sim, quando o seu vier cheirar as flores.

Moral da História:
'Respeitar as opções do outro, em qualquer aspecto, é uma das maiores virtudes que um ser humano pode ter. Pessoas são diferentes, agem diferente e pensam diferente. Portanto, nunca julgue. Apenas tente compreender.'

Tuesday, January 20, 2009

Percorrendo o caminho...


Integrados num todo, a minha carruagem, os cavalos, o cocheiro e eu, percorremos com certo trabalho o primeiro percurso do caminho.

A medida que avançamos a paisagem vai mudando, por vezes arida e desoladora,
outras vezes florida e confortante, mudam as condições climáticas e o grau de dificuldade do cocheiro.
Ás vezes suave e plano otras áspero e inclinado, por vezes serena e optimista outras triste e cansada!

Agora no final deste percurso, sinto que as unicas mudanças importantes eram as mudanças interiores, pois as exteriores do interior dependiam!

Detenho-me um momento a contemplar as margens deixadas para trás e sinto-me satisfeita e orgulhosa para bem ou para o mal os meus triunfos e frustações a mim pertencem.

SEI QUE UMA NOVA ETAPA ME ESPERA, NADA ME OBRIGA A SEGUIR EM FRENTE, NADA A NÃO SER O MEU PROPRIO DESEJO!

Saturday, January 10, 2009


"A man's gotta make at least one bet a day, else he could
be walking around lucky and never know it."

Jim Jones author

Thursday, January 08, 2009

Africa

"We shall not cease from exploration, and at the end of our exploring we will arrive where we started and know the place for the first time"


















http://www.youtube.com/watch?v=XUXwBQnyEZw

Dizem que sou louco por pensar assim Se eu sou muito louco por eu ser feliz Mas louco é quem me diz E não é feliz, não é feliz Se eles são bonitos, sou Alain Delon Se eles são famosos, sou Napoleão Mas louco é quem me diz E não é feliz, não é feliz Eu juro que é melhor Não ser o normal Se eu posso pensar que Deus sou eu Se eles têm três carros, eu posso voar Se eles rezam muito, eu já estou no céu Mas louco é quem me diz E não é feliz, não é feliz Sim sou muito louco, não vou me curar Já não sou o único que encontrou a paz Mais louco é quem me diz E não é feliz Eu sou feliz